quinta-feira, setembro 20, 2007

Revolta





23 horas duma noite amena...mais uma vez uma idosa teve que ir para o hospital...acamada, Alzeihmar, sem falar, receosa...acompanhei-a, porque quero mas porque os bombeiros também o exigem!

Ao chegar ao hospital o médico fala comigo e manda-a entrar...um segurança veda-me a entrada! Porque será?


E nem os meus protestos o convencem! E assim a idosa que não sabe falar, não consegue queixar-se,(até dá jeito!) fica ABANDONADA no corredor das urgências onde após duas horas consigo entrar para tentar falar com um médico...

Sou novamente posta na rua...e saio inconformada com a desumanidade daquele local que não tem que ser frio pois está cheio de pessoas...peço o livro de reclamações...e reclamo, por quem não tem voz, por quem se sente perdido e abandonado e a quem negam o direito de uma MÃO AMIGA!

É nestas alturas que me apetece DESERTAR para depois VOLTAR!

8 comentários:

greentea disse...

como viste passei por tudo isso com a minha filha - entrou de maca, sem forças para se ter de pé, não davam informações, o tal do segurança prepotente à porta, as pessoas a morrerem lá dentro e ninguém aatender!
Foi no sábado e depois de N análises dizem q tem infecção urinária; piorou, os medicamentos deram reacção; voltou na 2ª f com hipotetica meningite, esteve cinco horas no corredor e não foi vista.

Entretanto , no dia seguinte o médico particular por simples auscultação disse q tinha contraido broncopneumonia...

Tudo tão simples e eles cada vez complicam mais, gastam e fazem gastar rios de dinheiro em exames desnecessarios e trocam diagnosticos e analises.

Não falando na desumanidade com q as pessoas são tratadas, nos velhinhos que nãoo falam, nos estrangeiros q não explicam, nos menos letrados que mal sabem exprimir os seus sintomas.
Também reclamei por escrito e numa das vezes em a entrei, um rapaz q estava a soro pediu-me uma garrafa de água. Qd vinha a entrar de novo o tal do segurança não me queria deixar passar com o comment de q "aqui, cada um trata de si"!
A mentalidade é a mesma para a tua velhinha...

Um beijo grande para ti e as melhoras dela (e as tuas, que temos de reagir a esta violencia)

Belzebu disse...

Tantas reformas, tantas remodelações, estudos, projectos, actualizações, modernizações e outras coisas parecidas e no entanto, descuram completamente algo fundamental e tão simples, como a humanização dos cuidados médicos nos hospitais.

Já tinha saudades de te visitar!

Aquele abraço infernal!

Susete Evaristo disse...

E assim vai o estado de saúde ou melhor da doença em Portugal. As pessoas não são seres humanos são apenas números que engrossam ou minguam conforme as conveniências, as estatísticas do Ministério da Saúde. Ninguém ainda parou para pensar que por muitos psicólogos que agora são chamados para tudo e mais alguma coisa o amparo de uma mão amiga, familiar ou não isso pouco importa, mas uma mão que conforta sejam crianças ou idosos, é muito mais importante que todos os técnicos que por defeitop profissional tem de ter um trato impessoal.
Um abraço amiga

Hindy disse...

Tens toda a razão! É mesmo revoltante...

Beijinho hindyado

Alex disse...

Revoltante ...
e tão real.


Não te cales nunca!
Alguém tem que ouvir.
Revolta-me essas situações, revolta-me tanto, dá-me um nó no estomago ... fico com vontade de bater em toda a gente, e eu que normalmente nao levanto a voz, dou por mim aos berros no meio de um corredor ou numa sala cheia de gente.

É que há GENTE que só ouve assim.

um beijo amiga, não desistas.

Maria disse...

É nessas alturas, também, que me apetece emigrar....
... para não voltar.....

És linda, Amigona avó...

Beijinhos

Calimera disse...

Pois... Revolta... e não é para menos.
Mas BEM HAJAM PESSOAS COMO TU.
Não desertes precisamos de ti.
Obrigada pela visita.

Beijinho

Sophiamar disse...

Minha Querida Amiga Grande!

Fico revoltada só com a leitura. Se lá estivesse faria o mesmo que tu fizeste. Infelizmente,já me aconteceu algumas vezes.É urgente a humanização de todos os serviços públicos.É urgente a formação de pessoal sobretudo para atender as pessoas que em situação de fragilidade precisam mais do que nunca de alguém que fale por elas, que lhes dê a mão, que lhes faça a carícia que tanto necessitam, que conte ao médico o que se passa....
infelizmente isto passa-se em Portugal.E essas pessoas, detentoras de pequenos/grandes poderes estão à nossa beira ... a prestar tão mal o serviço para o qual descontamos tanto.
Beijinhos minha querida amiga.